LITURGIA NOTÍCIAS DA IGREJA SANTUÁRIO O PÁROCO APOSTOLADO DA ORAÇÃO PASTORAIS DIZIMISTAS ARQUIDIOCESE DE CURITIBA LITURGIA DOMINICAL EVENTOS MENSAGEM DO PAPA


Jo 10, 27-30

27As minhas ovelhas ouvem a minha voz, eu as conheço e elas me seguem.

28Eu llhes dou a vida eterna; elas jamais hão de perecer, e ninguém as roubará de minha mão.

29Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém as pode arrebatar da mão de meu Pai.

30Eu e o Pai somos um.


HOMILIA NO IV DOMINGO DO TEMPO PASCAL

                Ao chegarmos neste quarto domingo da páscoa, torna-se excelente a oportunidade de um aprofundamento das leituras que acabamos de ouvir, em consonância com esses nossos irmãos que iniciam um processo de catequização e de conhecimento, de quem é Jesus Cristo e o que Ele nos dá.

            Por isso, a partir deste evento ou deste acontecimento inicial da celebração, poderemos compreender um pouco melhor as leituras e o evangelho. Fala-se da imagem de Jesus enquanto pastor e essa imagem foi usada por Ele como forma de aproximar-se das pessoas, para que elas compreendessem que se há uma relação tão importante entre pastor e ovelhas, a relação é maior ainda com aquele que é o “bom pastor”, o próprio Cristo.

            No capítulo décimo, quando Jesus se mostra como o bom pastor, ensina-nos um único caminho em direção a Deus e somos convidados a um conhecimento Dele, mas para chegarmos a este conhecimento precisamos escutar a voz de Deus.

            Vejam que bela é a frase inicial do evangelho que acabamos de ouvir: “as minhas ovelhas escutam a minha voz”.  Tenho certeza que Deus passou na vida de vocês enquanto pastor e de alguma forma os chamou para o início deste processo. Cotidianamente somos convidados e vivenciamos um chamado de Deus, quando escutamos a voz. Embora hajam tantas vozes no mundo, nos perdemos às vezes seguindo vozes estranhas, o Senhor propicia para nós uma única voz, e a voz do bom pastor quer nos indicar que é preciso voltar-se para Ele, escutar a voz do Pai.

            Interessante perceber que essa relação que existe da voz que está gritando por nós, passa por um processo profundo de discernimento, de escuta.  Por isso, eis um tempo , um processo de catequização para nos preparar para a vida toda, pois a todo instante precisamos escutar a voz do pastor, a voz de Jesus, e não nos perdermos com outras vozes.  Escutar a voz do pastor significa se envolver completamente nEle.

Por isso escutar é diferente ouvir. No texto da primeira leitura de hoje se fala que aquelas pessoas estavam ao redor de Paulo e Barnabé e ouviam a palavra.  Tenho certeza que o verbo ouvir aqui utilizado levou-os ao verbo escutar, por que se apenas ouvimos a palavra temos uma tendência de que passa por um ouvido e sai pelo outro, e não faz nenhuma diferença.

Escutar é diferente, escutar não é só algo que envolve nosso sentido, escutar é ouvir, mas também permanecer com a palavra, envolve coração. Para aqueles que se consideram tão inteligentes deviam estar espertos a escutar a voz do pastor, e isso envolve vontade, discernimento e escolha. Por isso Jesus diz: minhas ovelhas escutam a minha voz.

            Mas como é bonito perceber “certa possessividade” do Senhor para conosco.  Para nós não é bom sermos possessivos com as pessoas, por que sabemos que estamos apenas passando por este mundo, mas Jesus é “possessivo” para conosco.  Ele diz: minhas ovelhas! Não são de ninguém, são minhas! E se somos de Deus, se somos ovelhas de Cristo por que não nos comportamos como ovelhas? Por que não escutamos a sua voz? Por que nos deixamos desviar por outras vozes? Talvez quando não conhecemos quem é Jesus, qualquer voz serve.

            Diz o evangelho: “minhas ovelhas escutam a minha voz. Eu as conheço”. Se existe alguém que nos conhece mais do que nós mesmos, é Deus e também somos convidados a buscarmos um conhecimento sobre Deus, não como forma de tomar seu lugar. Mas se Jesus tem um apreço por nós, se Ele nos conhece por que não temos um apreço para com Ele? Eis a importância de um tempo de catequização! Eis uma proposta para a vida inteira, talvez cheguemos aos 80 anos e tomemos consciência que conhecemos muito pouco de Jesus, mas não importa, se tomarmos consciência que Ele nos conhece já fará um grande bem para a nossa alma.

            O texto diz então: “eu as conheço”. Meus queridos irmãos e irmãs!  Cristo nos conhece do jeito que somos, frágeis, pecadores; mas Deus nos conhece mais do que isso, e mesmo assim Ele nos quer.  Muitas vezes vivemos situações que nos desviam Dele, mas Ele nos quer assim, e embora sejamos tão pequenos e frágeis, Ele nos conhece e nos quer.  Ele está sempre com uma voz nos chamando a ir ao encontro D´Ele, por que nos conhece e nos convida a conhecê-lo.

            Quando falamos de conhecimento de Jesus Cristo, este nos leva a outro verbo que também aparece neste evangelho. Diz o texto: “Eu as conheço e elas me seguem”.  Que consequência há naquele coração que escutou a voz do bom pastor, procurou conhecer e agora torna-se discípulo. 

Tenho certeza que está no coração de vocês e também no nosso de nos tornarmos seguidores de Cristo. E quando começamos com a nossa tarefa de batizados já há uma semente do discipulado. Começa em nós essa semente quando nos foi dada a veste batismal, uma veste branca.

            O texto do livro do apocalipse de São João fala desta veste branca. Como hoje há um número significativo de nações diferentes, tribos diferentes, povos, línguas diferentes, que diversidade existe em nossa assembleia! Somos todos diferentes com línguas diferentes, E ninguém podia contar aquela multidão, que estavam de pé diante do trono e do cordeiro. Vocês são convidados durante o tempo pascal a revestirem-se e também a estarem sempre de pé, com uma veste branca, veste nova e palmas na mão, sinal do Cristo vitorioso.

            Continua o texto, com a pergunta: mas quem são estes que estão trajando vestes brancas? De onde vieram? E responde: estes são os que vieram da grande tribulação.  Quantos de nós nos sentimos em tribulações, e quando somos revestidos em Cristo com uma veste nova, daí sim realmente sentimos que a tribulação vai passando. Estes lavaram e alvejaram as suas roupas no sangue do cordeiro. Mas como alguém pode lavar as roupas no sangue e permanecer limpo? Só quem tem fé em Jesus Cristo! Lavar as suas roupas no sangue do cordeiro significa revestir-se de Cristo, por isso aos catecúmenos será dado essa oportunidade por meio dos sacramentos, e a nós que nos encontramos na grande tribulação precisamos alvejar as vestes, para um dia receber as vestes da imortalidade.

            Por isso eles estão diante do trono, antecipado na eucaristia, e prestam culto dia e noite, porque na verdade encontraram sentido para a vida, e aquele sentado no trono os abrigará na sua tenda. Meus queridos irmãos, Cristo nos abrigará na sua tenda, é palavra de Deus dizendo, Ele nos quer próximos Dele! E ainda, nunca mais terão fome nem sede. Se tivermos fome e sede em Jesus tudo passa. Nem o sol os molestará, por que o cordeiro está no meio, e que bela imagem, o sangue do cordeiro, o cordeiro está no meio do trono, e Ele será o seu pastor. E Ele os conduzirá às fontes de águas vivas, e Deus enxugará as lágrimas de seus olhos.

Com certeza temos fé, Deus nos tirará das tribulações, Deus nos revestirá de vestes brancas, Deus nos dará uma fonte de vida, e Deus nos dá já um bom pastor que deu a vida por suas ovelhas.  Que tal começarmos no seguimento de Jesus Cristo, o Bom pastor!

            Que essas palavras sejam inspiradoras para a nossa caminhada terrena e em busca da vida eterna.

Este texto foi transcrito, com algumas adaptações, da homilia proferida pelo Pe. Maurício na missa das 19:00h do dia 12/05/2019. Não passou por uma revisão gramatical e ortográfica profunda, mantendo a linguagem coloquial original.

Escrito por: PE. MAURÍCIO