LITURGIA NOTÍCIAS DA IGREJA SANTUÁRIO O PÁROCO APOSTOLADO DA ORAÇÃO PASTORAIS DIZIMISTAS ARQUIDIOCESE DE CURITIBA LITURGIA DOMINICAL EVENTOS MENSAGEM DO PAPA


Jo 20,1-9

1No primeiro dia que se seguia ao sábado, Maria Madalena foi ao sepulcro, de manhã cedo, quando ainda estava escuro. Viu a pedra removida do sepulcro.

2Correu e foi dizer a Simão Pedro e ao outro discípulo a quem Jesus amava: Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram!

3Saiu então Pedro com aquele outro discípulo, e foram ao sepulcro.

4Corriam juntos, mas aquele outro discípulo correu mais depressa do que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro.

5Inclinou-se e viu ali os panos no chão, mas não entrou.

6Chegou Simão Pedro que o seguia, entrou no sepulcro e viu os panos postos no chão.

7Viu também o sudário que estivera sobre a cabeça de Jesus. Não estava, porém, com os panos, mas enrolado num lugar à parte.

8Então entrou também o discípulo que havia chegado primeiro ao sepulcro. Viu e creu.

9Em verdade, ainda não haviam entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dentre os mortos.


HOMILIA NO DOMINGO DE PÁSCOA

Fica Conosco, pois é tarde (Lc 24, 29)

 

            Um dos textos mais preciosos apresentados por São Lucas é a aparição de Jesus aos discípulos de Emaús, onde Ele se revelou aos dois discípulos, que estavam tristes, amargurados e, depois da morte do Mestre, saíram desiludidos de Jerusalém.

E qual foi a surpresa naquele domingo da Páscoa do Senhor? O próprio Cristo começa a caminhar com eles e lhes revela que ressuscitou verdadeiramente. O ponto alto da revelação de Jesus se dá no momento da fração do pão. Os discípulos abriram os olhos e agora, com os olhos da fé, viram que estavam na presença do Senhor. Rapidamente saíram correndo à Jerusalém para contar aos outros discípulos tudo que tinham visto e experienciado.

             Aprofundemos o encontro de Jesus com estes discípulos. Estamos diante do capítulo 24 do Evangelho de Lucas, que foi o único evangelista que escreveu esta passagem, e o acontecimento nos leva seguramente a uma Liturgia da Palavra e uma Liturgia Eucarística. Estamos diante do primeiro relato a respeito da Santa Eucaristia, após a ressurreição de Cristo e, desde o princípio, a Igreja se alimentou deste episódio.

            Onde está a Liturgia da Palavra no caminho percorrido pelos discípulos de Emaús? Para responder esta questão é importante revivermos este itinerário.

Assim como os discípulos de Emaús muitas pessoas tentam caminhar para outros povoados e lugares deste mundo. Emáus significa propriamente cegueira, pois os discípulos saíram como que cegos e desiludidos caminhavam para este povoado, distante próximo de 12 km de Jerusalém.

Tantas vezes também o ser humano deixa o encontro com o Cristo ressuscitado e sai para outros povoados, sem rumo, sem sentido de vida, abandonando o projeto de Deus.

Os dois discípulos conversavam entre si e neste caminho foram acompanhados por Jesus que pergunta: “Sobre o que conversais pelo caminho?” A resposta destes discípulos foi: “És o único forasteiro em Jerusalém que desconhece o que aconteceu aí nestes dias?”. (Lc 24,17)

É importante perceber que para dar esta resposta eles precisaram “parar” para responder a Jesus. Assim, aprende-se que em meio a tantas tribulações, precisa-se “parar” para encontrar-se com o Senhor.

            Qual foi a resposta dos discípulos? Foi um kerigma. Na verdade, muito se fala que a Igreja é KerigmáticaKerigma significa: um anúncio profético do Cristo. É uma palavra de origem grega que significa “Anúncio Gracioso”, alegre e que produz alegria naqueles que recebem. Este anúncio carrega consigo três elementos: 1. Jesus é o enviado, o Filho de Deus; 2. Jesus padeceu a morte, pagou os pecados da humanidade; 3. Jesus ressuscitou.

            O texto do Evangelho contém estes três elementos e os discípulos respondem: “A respeito de Jesus de Nazaré, que era um profeta poderoso em obras e palavras diante de todo o povo (primeiro elemento). Os sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para que o condenassem à morte, e o crucificaram (segundo elemento). E nós, que esperávamos fosse ele um libertador de Israel! Além disso, hoje é o terceiro dia depois que isso aconteceu. É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos alarmaram; pois, indo de madrugada ao sepulcro, e não encontrando o cadáver, voltaram dizendo que tiveram uma visão de anjos dizendo que ele está vivo. Também alguns dos nossos foram ao sepulcro e o encontraram como as mulheres haviam contado. Mas não o viram (terceiro elemento)”. (Lc 24, 19-24)

Assim, o Kerigma, o anúncio de Jesus ressuscitado, pode até conter os elementos teóricos, mas se não for carregado de um encontro com o Senhor e da alegria de um verdadeiro discípulo, não converte o coração de ninguém.

Infelizmente, como os discípulos de Emaús, muitas vezes o ser humano carrega no mundo rostos tristes. Rostos que padecem e querem encontrar outro caminho e, nem percebem que Jesus está sempre presente. O anúncio, portanto, precisa produzir alegria. E, falta ainda outro elemento além da alegria, pois eles não estavam acreditando em Jesus ressuscitado, faltava-lhes a Fé.

            Continua então o encontro de Jesus com estes discípulos. Como é que ocorre? A Liturgia da Palavra acontece com a apresentação de Moisés e dos profetas, feita pelo próprio Cristo. Mas eis que começa uma nova Liturgia: a Liturgia Eucarística!

            Como é que Jesus inicia esta Liturgia? Ele num certo momento, faz de conta que vai mais adiante e os discípulos pedem, sem saber ainda que é o Senhor: “Fica conosco, é tarde e o dia está terminando”. (Lc 24, 29)  À noite, a escuridão é perigosa. Mesmo que os discípulos não tivessem reconhecido que era Jesus que estava ali, pedem: “Fica conosco, Senhor!” E Ele fica! Eis que apresenta-lhes além da Palavra, o pão, a Eucaristia, o Banquete. E quando Ele partiu o Pão, o que acontece? Desaparece! E porque isso ocorre? Pois a partir de então Jesus está presente naquele Pão. A Liturgia Eucarística se dá no momento em que se reconhece que não há mais uma partícula branca, nem um pedaço de pão, mas na verdade, neste sinal de Fé é o Senhor Ressuscitado. Portanto, a Eucaristia alimenta o coração dos discípulos.

            E qual a consequência deste encontro? A consequência do encontro com Jesus na Palavra e na Eucaristia mudou a direção dos discípulos. Para onde eles iam? Para Emaús! Mas, voltaram (mesmo que fosse noite) correndo para Jerusalém para falar de Jesus ressuscitado, anunciando com Fé aos outros discípulos que viram o Senhor.

Cada Missa celebrada precisa produzir, suscitar um coração desejoso de anunciar Jesus. Não há escuridão para quem se encontrou com o Senhor. Portanto, há um grande ensinamento, uma missão neste mundo, que caberá não só ao padre, nem só ao bispo, nem só ao papa, mas todos como bons cristãos precisam anunciar que Jesus está vivo.

A Eucaristia tem este objetivo, propiciar um encontro com o Cristo Palavra e com o Cristo Eucarístico. Que estes alimentos sustentem o ser humano, de forma a suscitar corações missionários que testemunhem o Senhor ressuscitado.

Está homilia está baseada no evangelho do domingo de pascoa à tarde.

Escrito por: PE. MAURÍCIO