LITURGIA NOTÍCIAS DA IGREJA SANTUÁRIO O PÁROCO APOSTOLADO DA ORAÇÃO PASTORAIS DIZIMISTAS ARQUIDIOCESE DE CURITIBA LITURGIA DOMINICAL EVENTOS MENSAGEM DO PAPA


História Nossa Senhora Aparecida

1717

O aparecimento da imagem que transformou

 A FÉ DE UM POVO 


 

Foi em 1717 que uma imagem simples e quebrada transformou a fé de um povo, até receber o título de Padroeira do Brasil.

Tudo começou quando os pescadores João Alves, Felipe Pedroso e Domingos Garcia...

...foram encarregados de conseguir peixe para o banquete que a Vila de Santo Antônio de Guaratinguetá iria oferecer a Dom Pedro de Almeida e Portugal, o Conde de Assumar, que na época também era o Governador da Província de São Paulo e Minas Gerais, e estava visitando a região, no período de 17 a 30 de outubro de 1717.

 

Foi após várias tentativas que os três pescadores tiraram das águas escuras do Rio Paraíba uma imagem de Nossa Senhora, que veio nas redes em dois pedaços: primeiro o corpo e, em seguida, rio abaixo, a cabeça.

 

 

João Alves, Felipe Pedroso e Domingos Garcia, depois de colocar a imagem dentro do barco, puderam vivenciar a ação da Mãe de Deus. Os pescadores, que antes não tinham conseguido pescar nada, encheram as suas redes com uma quantidade abundante de peixes.

 

Antes de levarem os peixes para o banquete, entregaram os pedaços da estátua a Silvana da Rocha Alves, esposa de Domingos, irmã de Felipe e mãe de João, que reuniu as duas partes com cera e a colocou num pequeno altar na casa da família, agradecendo a Nossa Senhora o milagre dos peixes.

Nascia ali uma devoção, reunindo todos os sábados os moradores da região para rezarem o terço e cantarem a ladainha.

 

Um oratório para receber os devotos da ‘Aparecida’ das águas

 Um oratório para receber os devotos da ‘Aparecida’ das águas  


Entre 1717 e 1732, a imagem peregrinou pelas regiões de Ribeirão do Sá, Ponte Alta e Itaguaçu. Em 1732, Felipe Pedroso entregou a imagem a seu filho Atanásio Pedroso, que construiu o primeiro oratório aberto ao público.

A primeira igreja foi aprovada em 1743

  A primeira igreja foi aprovada em 1743 


Em virtude da expansão da devoção à Nossa Senhora ‘Aparecida’ das águas, o vigário de Guaratinguetá, padre José Alves Vilela, e alguns devotos construíram, no ano de 1740, uma pequena capela. Nela acontecia a reza do terço e o cântico das ladainhas, mas não se celebrava a Eucaristia.

Em 1743, o Pe. Vilela fez um relatório dos milagres e da devoção do povo para com Nossa Senhora Aparecida e enviou ao Bispo do Rio Janeiro, Dom Frei João da Cruz, para que ele aprovasse o culto e autorizasse a construção da primeira igreja em louvor à imagem que ficou conhecida como Mãe Aparecida.

A aprovação aconteceu em 5 de maio em 1743.

A inauguração da igreja - Basílica Velha

A igreja foi construída no Morro dos Coqueiros, atual colina onde está localizado o centro da cidade de Aparecida, em terra doada pela viúva Margarida Nunes Rangel, com escritura passada em 6 de maio de 1744.

 A inauguração da igreja ...


que deu também origem ao Santuário, aconteceu na festa de Santa Ana, no dia 26 de julho de 1745. Nesta ocasião foi inaugurado também o povoado com o nome de ‘Capela de Aparecida’. No dia 25, a imagem foi levada em solene procissão a nova igreja e colocada no nicho do altar. No dia 26, aconteceu a benção da imagem e a celebração da primeira missa. Esse foi o primeiro Santuário que acolheu multidões. Foi construído em taipa de pilão e, por isso, não resistiu ao tempo. Em 1844, apresentou risco de desmoronamento e o setor administrativo da capela resolveu pela construção de um novo templo.

 

 

A igreja inaugurada pelo Pe. Vilela, anterior à Basílica Velha, já possuía a Sala dos Milagres em 1745. Nesse período, os objetos de promessas eram poucos e bem simples. A Sala das Promessas de Aparecida teve diversos nomes e locais: ‘Casa dos Milagres’, ‘Quarto dos Milagres’, Sala dos Milagres; ocupou ainda muitos lugares em todos estes anos. Em 1974, a Sala das Promessas chegou ao subsolo do novo Santuário. 

 

UM ESPAÇO PARA ACOLHER OS EX-VOTOS


 

MILAGRES

 A Pesca Milagrosa

 

 


 

A Pesca Milagrosa

Velas


 

Milagres - As Velas

 

 Menina cega

 

 


 

Milagre da menina cega

 

 Escravo Zacarias

 

 


 

 

 Cavaleiro

 

 


 

Milagre do Cavaleiro

 

 Salvo de afogamento

 

 


 

Menino salvo de afogamento

 

A expansão da 

 DEVOÇÃO à Nossa Senhora Aparecida

 A fé e as demonstrações de afeto à Nossa Senhora Aparecida  


se estenderam para além da região onde ela foi encontrada, surgindo, em 1782, na cidade de Sorocaba (SP), uma capela dedicada à Mãe Aparecida. Essa foi a primeira de tantas capelas construídas Brasil afora.

1800

Diversas pessoas ilustres passaram pelo
Santuário de Aparecida para

 DEMONSTRAR A SUA DEVOÇÃO 


 

Dom Pedro I, durante sua viagem ao Rio de Janeiro e São Paulo, passou no Santuário de Aparecida. D. Pedro, então Príncipe Regente, quis rezar diante da imagem de Aparecida. Prometeu-lhe consagrar o Brasil, caso resolvesse favoravelmente sua complicada situação política.

Isto ocorreu no dia 22 de agosto de 1822. Quinze dias depois, em 7 de setembro, em São Paulo, nascia o Brasil independente, pelo brado histórico do príncipe que se tornaria o primeiro imperador, com o nome de D. Pedro I.

  

O imperador Dom Pedro II e a imperatriz Teresa Cristina estiveram em duas ocasiões (1843 e em 1865) na capela de Aparecida, para rezar diante da imagem.


 

A festa da Aparecida no ano de 1868, até então celebrada em 8 de dezembro, dia da Imaculada Conceição, foi encerrada com a participação de uma pessoa especial.

A princesa Isabel, herdeira do trono brasileiro, quis participar das celebrações ao lado de seu marido, o Conde d'Eu, na esperança de obterem da Senhora Aparecida a graça de um herdeiro.

Para manifestar sua devoção, a princesa doou à Imagem um manto ornado com 21 brilhantes, representando as 20 Províncias do Império e mais a capital.

 

 

Anos depois, em 1884, a princesa Isabel voltava a Aparecida em reconhecimento pela graça recebida. Feliz, vinha acompanhada não só do esposo, mas dos três herdeiros, os príncipes D. Pedro, D. Luís e D. Antonio. 

A princesa novamente quis honrar a imagem da Senhora Aparecida oferecendo-lhe dessa vez uma coroa de ouro 24 quilates, 300 gramas, cravejada de brilhantes. Essa mesma coroa serviu, vinte anos depois, para a solene coroação da Imagem, por ordem do Papa São Pio X.

A inauguração da

 BASÍLICA VELHA 


Em 24 de junho de 1888, Dom Lino D. R. de Carvalho, bispo de São Paulo inaugurou a igreja conhecida como ‘Igreja de Monte Carmelo’ (Basílica Velha). Essa construção teve como personagem principal Frei Joaquim do Monte Carmelo, pois foi ele quem se dedicou integralmente aos projetos dessa obra.

 

 

A igreja, hoje denominada Basílica Velha, foi reformada e ampliada em 1768. O primeiro vigário do Santuário foi o padre Joaquim Pereira Ramos. Em 1817, a Igreja recebeu uma aquarela feita pelo pintor austríaco Thomas Ender, por ocasião de sua passagem pelo Santuário.

 

No ano de 2004, a Basílica Velha de Aparecida passou por uma restauração. Sua reinauguração foi em fevereiro de 2015. 

 

 

 Matriz Basílica recebe o título de Santuário  


Em 1893, houve muitas mudanças significativas com a criação da Paróquia de Aparecida e a concessão à “Basílica Velha” do título de Episcopal Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, assinada por Dom Lino Deodato Rodrigues, Bispo de São Paulo, em 28 de novembro daquele ano.

A chegada da Congregação dos

Missionários Redentoristas à Aparecida

 

Em 1894, os Missionários Redentoristas chegam a Aparecida, provenientes da Baviera, Alemanha, para se dedicarem ao cuidado pastoral do novo Santuário, onde permanecem até os dias atuais. A Congregação do Santíssimo Redentor assinou o contrato, assumindo oficialmente o Santuário de Aparecida em janeiro de 1895.

A chegada da Congregação dos
Missionários Redentoristas à Aparecida1 9 0 0

Coroação de Nossa Senhora Aparecida

 


 

Foi sob a inspiração de Dom Joaquim Arcoverde, Arcebispo do Rio de Janeiro, primeiro Cardeal do Brasil, que surgiu a proposta da coroação da imagem de Nossa Senhora Aparecida. O tema foi sugerido em 1901, na primeira Conferência dos Bispos da Província Meridional do Brasil, realizada em São Paulo. O pedido foi aceito pelo Papa Pio X e a solenidade marcada para 8 de setembro de 1904.

Pela primeira vez, o Santuário reuniu cerca de 15 mil pessoas, 12 bispos e centenas de sacerdotes para a coração da Imagem. A missa aconteceu na praça do Santuário, presidida pelo Núncio Apostólico, Dom Júlio Tonti. O bispo de São Paulo, Dom José de Camargo Barros, foi quem coroou a imagem.


 

Inclusão de ritos dedicados a Nossa Senhora Aparecida durante as celebrações

Em 2 de março de 1906, o Papa Pio X concedeu a realização de missa e ofício dedicados à Nossa Senhora Aparecida, isto é, foram introduzidos textos no Missal e no Breviário da Igreja. A licença anterior, concedida por Leão XIII, em 1895, fixava as celebrações da festa somente no primeiro domingo de maio, sem Missa e Ofício próprio.

Além dos textos religiosos, algumas colaborações de leigos foram incorporadas à devoção no Santuário, como a canção “Viva a Mãe de Deus e Nossa”, hino da romaria que comemorou o primeiro aniversário da coroação da imagem, composta pelo Conde José Vicente de Azevedo.

Em 1908, Dom Duarte Leopoldo e Silva pediu e conseguiu o título e o privilégio de Basílica Menor para Basílica Velha. A dignidade foi concedida por Pio X, em 29 de abril de 1908, e executada com a sagração do templo por Dom Duarte, no dia 5 de setembro de 1909.

Em 1925, o Papa Pio XI concedeu aos fiéis que visitassem o Santuário de Nossa Senhora Aparecida os privilégios de indulgências plenárias, e aos sacerdotes que acompanhassem as peregrinações foi autorizada a celebração de Missa Votiva Solene, no altar da Imagem, para favorecer a piedade e a devoção dos fiéis.

ONDE TUDO COMEÇOU Uma lembrança da pesca milagrosa no Porto ItaguaçuNo final de 1925, o reitor do Santuário, Pe. José F. Wand, iniciou a construção de uma capela como lembrança da pesca da imagem. A capela foi inaugurada em 6 de abril de 1926.

  

 

 

A criação do município de Aparecida

A autonomia do distrito de Aparecida à cidade de Guaratinguetá aconteceu no final da década de 1920. Em 1925, o deputado Rangel de Camargo, com o argumento de que a população de Aparecida já ultrapassava dez mil habitantes (número mínimo exigido para emancipação), submeteu o Projeto 34 ao Legislativo, ainda sem parecer favorável.

Com o apoio do presidente do Estado, Júlio Prestes, o projeto foi reapresentado e aprovado. Em 17 de dezembro de 1928, a Lei 2.312 criou o município de Aparecida.

A data escolhida para essa cerimônia foi o dia 8 de setembro de 1929, marco do Jubileu de 25 anos de Coroação da Imagem de Aparecida. A solenidade foi acompanhada do II Congresso Mariano (5 a 7 de setembro), convocado para exaltar os “conhecimentos de Maria Santíssima” e tornar Nossa Senhora Aparecida a Padroeira Principal do País.

A Mãe Aparecida e o

 título de Padroeira do Brasil 


 

Foi durante o Congresso Mariano que o líder do episcopado brasileiro, Dom Sebastião Leme, Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro, apresentou aos bispos a proposta para pedir à Santa Sé que declarasse Nossa Senhora Aparecida a Padroeira do Brasil.

 

 

 

A declaração aconteceu em julho de 1930, pelo papa Pio XI. No final de 1930, Dom Sebastião Leme tomou a iniciativa de realizar uma festa para a proclamação de Nossa Senhora Aparecida como padroeira do Brasil.

A grande manifestação popular foi organizada para acontecer no Rio de Janeiro, no dia 31 de maio de 1931. Em um trem especial e enfeitado, a Imagem foi conduzida para o Rio de Janeiro, saindo de Aparecida.

Era a primeira vez, desde 1889, que a Imagem saía de seu Santuário. Mais de um milhão de fiéis aguardavam no Rio para participar das celebrações.

 

“Senhora Aparecida, o Brasil é vosso!
Rainha do Brasil, abençoai a nossa gente.

Paz ao nosso povo! Salvação para a nossa Pátria! 
Senhora Aparecida, o Brasil voz ama, O Brasil em vós confia! 
Senhora Aparecida, o Brasil vos aclama Salve Rainha!”

Oração de Consagração à Nossa Senhora Aparecida, rezada durante a festa de proclamação como Padroeira, feita por Dom Sebastião Leme:

A festa da padroeira foi fixada no dia 7 de setembro, dia da Pátria.

 

 

 Em São Paulo, uma Noite de Nossa Senhora  


Em 1945, a imagem de Nossa Senhora saiu do Santuário de Aparecida para participar da concentração popular 'Noite de Nossa Senhora'. A imagem foi recebida pelo arcebispo de São Paulo, Dom Carmelo Mota, no dia 14 de julho na Praça da Sé, para participar de uma vigília.

O atentado à imagem de Aparecida e sua restauração


Até 1946, a Imagem permaneceu no estado em que foi encontrada: com o pescoço quebrado e sem as partes laterais do cabelo, que pendiam até os ombros. Nesse estado, a Imagem sempre ficou exposta no nicho do Santuário para veneração dos fiéis.

No ano de 1946, o reitor do Santuário, Pe. Antônio Pinto de Andrade, pediu ao Pe. Alfredo Morgado que tentasse consertá-la. No dia 29 de maio daquele ano, ele retirou a imagem do nicho e a levou para o convento, onde passou o dia no trabalho de restauro da Imagem. Além de colar a cabeça ao tronco, acrescentou as partes laterais do cabelo. Usou para isso uma massa preparada com raspas de peroba e cola.

Esse trabalho não teve duração, pois a massa se deteriorou pelo calor das lâmpadas do nicho. Padre Antão Jorge, então reitor do Santuário, pediu, em 1950, a outro confrade, Pe. Humberto Pieroni, que estudasse outra possibilidade de restaurar a Imagem. Foi utilizada então massa de cimento, reforçando com um pino de alumínio a junção da cabeça ao tronco, repondo também o cabelo. Esse trabalho foi duradouro e resistiu até o atentado de 1978.

Em 16 de maio de 1978

O jovem Rogério Marcos de Oliveira, 19 anos, residente em São José dos Campos, veio até Aparecida e, à noite, conseguiu quebrar o vidro do nicho e retirar a Imagem. Apanhado no ato pelo guarda do Santuário, deixou a Imagem cair, quebrando-a em mais de 200 partes.

 


Com todo cuidado, os pedaços foram levados em sigilo para o MASP (Museu de Arte de São Paulo), onde a restauradora Maria Helena Chartuni trabalhou durante 33 dias para reconstituir a imagem. 

 


A imagem de Nossa Senhora Aparecida retornou ao Santuário em 24 de julho de 1979, em um carro aberto do Corpo de Bombeiros e foi recebida por uma multidão, que a esperava no entorno do Santuário Nacional e na Rodovia Presidente Dutra.

 

 

 

A Construção do novo Santuário


 

A primeira ideia de construção surgiu em 1917, por ocasião das celebrações do bicentenário do Encontro da Imagem. O projeto tomou forma ainda sob o arcebispado de Dom Duarte Leopoldo e Silva em São Paulo, mas sua realização estava condicionada à conclusão das obras da Catedral da Sé. O acordo com nove proprietários de lotes no Morro das Pitas, em Aparecida, foi fechado no começo do mês de setembro para a construção do novo Santuário. Simbolicamente, o local das futuras obras recebeu, no dia 8, uma procissão com a imagem de Nossa Senhora Aparecida.

A solenidade de lançamento da pedra fundamental do novo Santuário teve a participação do clero e de autoridades civis, em 10 de setembro de 1946. Porém, na madrugada ela foi roubada. Em agosto de 1954, com a plataforma da construção e a canalização do córrego da Ponte Alta, que passava aos pés do Morro das Pitas, foi renovado o ato da Bênção da pedra fundamental. O Cardeal Dom Giovani Piazza celebrou missa às 10h30 e, após a missa, o Pe. Antão Jorge, vigário da Basílica, presidiu a bênção e o lançamento da nova pedra fundamental.

 

 

O projeto da nova Basílica foi encomendado pelo Cardeal Dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, em setembro de 1947, ao arquiteto Benedito Calixto de Jesus. A estrutura e os cálculos do concreto armado eram do engenheiro civil Paulo Franco Rocha.

O início efetivo da construção ocorreu em 11 de novembro de 1955. A primeira missa no local aconteceu no dia 11 de setembro de 1946, presidida pelo Cardeal Motta. O primeiro atendimento aos romeiros foi em 21 de junho de 1959.

 

 


 

As atividades religiosas no Santuário, em definitivo, passaram a ser realizadas a partir do dia 03 de outubro de 1982, quando aconteceu a transladação da Imagem de Aparecida da Antiga Basílica para a Basílica Nova.

Na manhã do dia 03, o Arcebispo de Aparecida, Dom Geraldo Maria de Moraes Penido, fez a entrega do templo, à Basílica Velha de Aparecida, ao redentorista e vigário da cidade, Padre Elpídio Tabarro DalBó.

A imagem de Aparecida foi embarcada num carro do Corpo de Bombeiros e levada em cortejo pela cidade até o altar montado na Esplanada do Santuário, para uma celebração eucarística. No final da cerimônia, a imagem foi entronizada definitivamente em seu trono na Catedral-Basílica de Aparecida.

 

ARTIGOSHá 32 anos, “Basílica Nova” acolhia a Imagem de Nossa Senhora Aparecida

OBRAS SACRAS As obras sacras foram idealizadas pelo artista plástico Cláudio PastroO artista esteve à frente do projeto de criação dos painéis e vitrais que representam momentos da história de Cristo, da Igreja e da Virgem Maria.

O Reconhecimento de Santuário Nacional

 

No dia três de outubro de 1983, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB – declarou, oficialmente, a Basílica de Aparecida como Santuário Nacional.

Facilitando a circulação dos romeiros de outros estados


 

O Santuário de Aparecida foi beneficiado com a conclusão de uma grande obra rodoviária na região Sudeste. Em janeiro de 1951, foi inaugurada a Nova Rodovia Rio-São Paulo, a Rodovia Presidente Dutra, que substituiu a antiga ligação, em funcionamento desde 1928.

Primeiro Congresso da Padroeira em São Paulo

Na reunião inaugural da Comissão Permanente da CNBB, em 1952, o Cardeal Motta dirigiu ao clero e ao povo uma convocação para o Primeiro Congresso Mariano da Padroeira do Brasil para o ano de 1954, coincidindo com o Congresso Mariano Nacional, edição do Jubileu de Ouro da Coroação (comemorados a cada 25 anos, desde 1904) e das festividades do quarto centenário de fundação da cidade de São Paulo.

A imagem de Nossa Senhora Aparecida participou do Congresso da Padroeira do Brasil, desde a abertura (4) até o dia sete de setembro, quando, numa grande solenidade, deixou São Paulo para encerrar os festejos em Aparecida.

 

 

 

 

12 DE OUTUBRO


PADROEIRA DO BRASIL

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) em sua Assembleia de 1953 determinou que a festa da Padroeira do Brasil fosse celebrada no dia 12 de outubro. Uma das razões para a escolha dessa data foi a aproximação da época do encontro da Imagem, que ocorreu na segunda quinzena de outubro de 1717.

Por ocasião da visita do Papa João Paulo II ao Brasil, o então Presidente da República, General João Batista Figueiredo, promulgou a Lei n. 6.802, de 30 de junho de 1980, “declarando feriado federal o dia 12 de outubro para o culto público e oficial a Nossa Senhora Aparecida”, conforme consta no Diário Oficial da União de 1º de julho de 1980.

Em 1955, a imagem de Nossa Senhora Aparecida foi apresentada no 36º Congresso Eucarístico Nacional, realizado de 17 a 25 de julho, no Rio de Janeiro. Essa seria a segunda visita da Imagem ao Rio, desde a Coroação em 1931.

 

Criação da Arquidiocese de Aparecida

 

A paróquia de Aparecida foi elevada a Arquidiocese pelo Papa Pio XII, em 19 de abril de 1958, e instalada solenemente pelo Núncio Apostólico, Dom Armando Lombardi, em 8 de dezembro, no recinto do novo Santuário ainda em construção. Sob os limites territoriais da Arquidiocese ficaram Aparecida, Guaratinguetá e Lagoinha. Depois vieram Roseira (1965) e Potim (1991), como municípios emancipados.

Construção da Passarela da fé entre a

Basílica Velha e o Santuário Nacional


 

Para melhorar o acesso dos peregrinos no trajeto entre as duas basílicas, o Santuário conseguiu o apoio do Governo Federal para a construção de uma passarela. A ideia foi lançada em 13 de julho de 1969, numa visita do então Ministro dos Transportes, Mario Andreazza, a Aparecida.

 

Em 7 de agosto de 1969, foi assinado por Andreazza e pelo então Presidente da República, Marechal Artur da Costa e Silva, o Decreto-Lei 747, que alterava o “Plano Nacional de Viação”. No Art. 1º era constituída a “BR-488, a ligação da BR-116 ao Santuário Nacional de Aparecida”.

A Passarela da Fé foi construída pelo Departamento Nacional de Estradas e Rodagem (DNER). A ponte foi inaugurada em 19 de dezembro de 1971 pelo Ministro dos Transportes, tendo como Presidente da República Emílio Garrastazu Médici.

Aparecida, patrona da Arquidiocese de Brasília


 

A imagem de Nossa Senhora Aparecida chegou a Brasília pelas mãos do Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Carmelo Mota, no dia 10 de junho de 1962 para ser proclamada Padroeira oficial da Arquidiocese e da cidade. A consagração da Catedral de Brasília teve início com a leitura da mensagem Pontifícia, que declarava “Nossa Senhora Aparecida Patrona Principal da Arquidiocese”. Brasília também tem como patrono São João Bosco.

 

 

 Santuário recebe a primeira Rosa de Ouro do papa Paulo VI 


Em 1967, por ocasião dos festejos dos 250 anos do Encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida, o Santuário recebeu uma Rosa de Ouro, uma distinção outorgada pelo Papa a pessoas, cidades ou centros de devoção, como prova de estima.

A concessão da Rosa de Ouro foi anunciada pelo próprio Papa Paulo VI aos jornalistas brasileiros que acompanhavam a comitiva presidencial na viagem de Costa e Silva a Roma, em cinco de janeiro do mesmo ano. A Rosa foi abençoada pelo Papa no dia cinco de março de 1967.

No dia 15 de agosto, a Rosa foi entregue ao Santuário pelo legado Papal Cardeal Cicognani ao Cardeal Arcebispo, Dom Carlos Carmelo de V. Mota.

Homenagens aos 250 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida


 

Durante as comemorações do jubileu de 250 anos, em 1967, foi reinaugurado o Museu Santuário, instalado no segundo andar da torre Brasília. Os correios também fizeram homenagens, lançando selos comemorativos da entrega da Rosa de Ouro e dos 250 anos da Imagem de Aparecida.

 

 

 A peregrinação da imagem oficial de Nossa Senhora Aparecida  


Entre os anos de 1965 e 1967 a imagem de Nossa Senhora Aparecida participou de uma grande e demorada jornada pelo Brasil, estabelecida em oito peregrinações que percorreram mais de 800 cidades. Em 1968, a Imagem faria outras sete peregrinações menores e regionais.

Mesmo depois do encerramento oficial da Peregrinação Nacional, em 1968 a imagem original de Nossa Senhora Aparecida sairia 11 vezes do Santuário. No período de 31 de agosto a 3 de setembro de 1972, a imagem de Nossa Senhora foi apresentada nas comemorações do aniversário da Independência do Brasil em São Paulo.

 

 

Papa João Paulo II visita o Santuário Nacional e concede título de Basílica Menor


 

Papa João Paulo II esteve no Brasil no ano de 1980 e, no dia 3 de setembro, visitou a cidade de Aparecida, na ocasião consagrou e concedeu o título e benefícios de Basílica Menor ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida. Como recordação de sua visita, o Papa doou o “Mosaico dos quatro evangelistas e do Cordeiro”, que está instalado na Capela do Santíssimo.

+ Relembre as palavras ditas por São João Paulo II na Casa da Mãe Aparecida

 

 

 

 

 Igreja de Monte Carmelo (Basílica Velha)

Patrimônio Histórico 


A Basílica Velha foi oficialmente tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat), em 18 de abril de 1982. Além do secretário de Cultura estiveram presentes os membros da família Real, o príncipe Dom Pedro Gastão de Orleans e Bragança e seu filho Dom Francisco.